Casa e Imóveis  |  Compras  |  Divirta-se  |  Educação e Cultura  |  Gastronomia e Mercado  |  Gente e Negócios  |  
Geral  |  Mídia e Marketing  |  Moda e Beleza  |  Turismo  |  Vida e Saúde  |  

  Vida e Saúde

Tudo o que você sempre quis perguntar para um ginecologista sobre pílulas anticoncepcionais
[19-09-2013]

Desde que passou a fazer parte do universo feminino, na década de 60, a pílula anticoncepcional sempre esteve em pauta e é assunto nas rodinhas de amigas, entre mães e filhas, no trabalho, na faculdade e nos consultórios médicos, entre outros. No entanto, seu uso ainda gera muitas dúvidas na cabeça das mulheres. A evolução do método andou junto com as novas descobertas da ciência, mas, nesse meio tempo, muitos mitos se propagaram até os dias atuais. Afinal, qualquer pessoa pode tomar pílula anticoncepcional? Existe alguma contraindicação?

Essas e outras dúvidas foram respondidas pelo Dr. José Bento, ginecologista e obstetra dos hospitais Albert Einstein e São Luís, que este ano participa do Dia Mundial da Prevenção da Gravidez na Adolescência, comemorado no dia 26 de setembro, sob o tema: “É a sua vida, é o seu futuro – conheça suas opções, conheça seu corpo, conheça seu parceiro”. A data tem como objetivo incentivar a reflexão sobre os métodos contraceptivos e sua inclusão no dia a dia, a fim de evitar uma gravidez não planejada ou DST’s (Doenças sexualmente transmissíveis) e acontece em diversos países com apoio mundial da Bayer HealthCare Pharmaceuticals.

1. Qualquer pessoa pode tomar pílula anticoncepcional?
Dr. José Bento -
 
Não. A mulher, antes de tomar pílula, precisa passar por uma consulta com o ginecologista a fim de saber se ela pode ou não tomar o medicamento. Existem algumas contraindicações que só um médico pode avaliar. 

2. Há algum modo de prever a compatibilidade da pílula com a pessoa que não seja por tentativa e erro?
Dr. José Bento –
 
Não. Não tem jeito, só mesmo tomando o contraceptivo para saber se haverá algum efeito colateral. O que existem são algumas contraindicações que o médico vai detectar para melhor orientar a paciente, como por exemplo: mulheres com doenças hepáticas, antecedentes de trombose, câncer de mama, câncer de útero e câncer de ovário não devem tomar pílula. Nestes casos, o médico indicará outros métodos contraceptivos.

3. Como é feita a escolha do melhor contraceptivo para a mulher?
Dr. José Bento –
 A mulher sempre deve escolher o contraceptivo junto com seu médico. Somente um profissional pode indicar uma pílula que tenha menos efeitos colaterais, com menor taxa de hormônios e que seja mais adequada para aquela paciente específica. Por exemplo, para uma paciente que tenha a pele oleosa, o médico vai escolher uma pílula que vai ajudar a melhorar a pele; para aquela que tenha fluxo muito aumentado, ele vai indicar uma pílula que vá diminuir o fluxo; e assim por diante. Portanto, é o médico que vai escolher junto com a paciente, e após exames ginecológicos, qual o método contraceptivo mais indicado.

4. Quais são os anticoncepcionais mais indicados?
Dr. José Bento -
 
Aqueles com menor dosagem hormonal. É sempre preferível escolher a pílula com menor dosagem, porque, em tese, terá menor efeito colateral para o organismo da mulher.  Porém não é regra, é preciso conversar com um médico para que ele possa identificar quais os métodos mais indicados para aquele organismo.

5. Pessoas que sofrem com problemas de circulação podem utilizar a pílula? 
Dr. José Bento –
 As pílulas anticoncepcionais não são recomendadas para pessoas com problemas de circulação. No entanto, é necessário que a mulher converse com um ginecologista para avaliar o caso. Normalmente, os médicos recomendam as pílulas de baixa dosagem, que contêm menos hormônios e têm menos efeitos sobre a circulação.

6.    Existe alguma pílula no mercado que ofereça maior risco para a saúde, como aumentar as chances de desenvolver trombose ou outras doenças?
Dr. José Bento –
 
Não. Todas as pílulas, independente do fabricante, podem aumentar o risco de trombose, dependendo do perfil da mulher, ou seja, se ela é obesa, tem histórico familiar ou é fumante. Vale lembrar que também existe risco de trombose para quem engravida ou anda de avião por longos períodos. Portanto, somente um médico pode indicar qual a melhor pílula ou método anticoncepcional que cada mulher deve utilizar.

7. Tomar anticoncepcional por muito tempo pode causar infertilidade?
Dr. José Bento –
 Não, pelo contrário. A pílula anticoncepcional preserva a fertilidade da mulher e diminui os riscos de desenvolver endometriose, cisto no ovário e o aparecimento de mioma e pólipo uterino. 


8. Existem evidências de que o uso contínuo da pílula pode causar câncer?
 Existe algum malefício no uso contínuo de contraceptivo, como maior incidência de tumores de mama, infecções uterinas, miomas etc.?
Dr. José Bento -
 Não, não existe nenhuma evidência até hoje de que a pílula cause qualquer tipo de câncer. O que existe é uma evidência muito bem estabelecida de que a pílula protege a mulher contra o câncer do ovário e câncer de endométrio. Ao tomar a pílula, a mulher fica protegida também contra o aparecimento de miomas, endometriose, pólipos, cistos no ovário, alguns tipos de infecção e alterações benignas das mamas.

9. A pílula pode interromper o crescimento de pelos pelo corpo e rosto?
Dr. José Bento –
 
Pode. Existem algumas pílulas que têm este efeito: diminuem a quantidade de pelos, principalmente aqueles anormais, que crescem em locais em que a mulher não está acostumada, como na face, abdômen etc. Não são todas as pílulas que têm este efeito, mas algumas foram desenvolvidas para este fim. Inclusive, existem pílulas que melhoram também a acne e a oleosidade da pele.

10.  Existe algum horário ideal para tomar o anticoncepcional?

Dr. José Bento – Existe, à noite. É a melhor hora para tomar, é mais difícil de esquecer e, quando absorver aquele conteúdo hormonal pelo estômago, a mulher estará dormindo e, portanto, terá menos chances de efeito colateral.

11. Por que é necessário tomar a pílula sempre no mesmo horário?

Dr. José Bento – Porque a quantidade de hormônio existente nas pílulas modernas é muito pequena. Então, se a usuária começar a variar o horário de tomada da pílula, além de ser mais fácil de esquecer, ela pode alterar também a quantidade de hormônio que vai inibir a formação de um folículo, interferindo, assim, na sua eficácia. Por isso é melhor tomar a pílula sempre no mesmo horário.

12. Se a pessoa tomar por muito tempo a mesma pílula, ela perde o efeito? De tempos em tempos é preciso trocar de marca? Por quê?

Dr. José Bento - Não, pelo contrário. Não é porque saiu uma pílula nova no mercado ou sua amiga está se dando bem com outra pílula que você deve trocar de marca. O importante é: se você está se dando bem com a sua pílula, está fazendo o seu controle médico a cada seis meses e não tem nenhuma contraindicação, você deve continuar com a marca do seu anticoncepcional habitual. Não troque. Quanto mais tempo a mulher tomar a pílula, maior o efeito contraceptivo. E a indicação do uso da pílula depende de quanto tempo se quer evitar filhos. 

13. Pílulas anticoncepcionais podem causar dependência?

Dr. José Bento – Não, não causam dependência. Se a mulher se sente mal quando interrompe o uso da pílula é devido à queda hormonal. Quando ela faz a pausa de 4 ou 7 dias, há uma queda hormonal e esse mal estar é devido a essa queda. Isso não é dependência, mas ela pode conversar com o seu médico para saber quais os métodos contraceptivos mais indicados para o seu caso.  

14. Na troca de anticoncepcional há riscos de uma gestação?

Dr. José Bento – Não. Se o anticoncepcional for trocado sem interromper sua orientação de uso, não tem risco nenhum. 

15. Na hora de comprar a pílula receitada pelo médico, posso escolher uma versão genérica ou similar?

 Dr. José Bento – A resposta é não. Embora alguns farmacêuticos digam que genéricos ou similares possuem a mesma função do remédio indicado na receita, é preciso prestar muita atenção, pois nem sempre a composição do remédio similar ou genérico é exatamente a mesma do medicamento indicado pelo médico e os resultados podem ficar prejudicados. Na dúvida, converse com o seu médico para saber qual a melhor opção.

Uma data especial – Todos os anos, no dia 26 de setembro, celebra-se o Dia Mundial da Prevenção da Gravidez na Adolescência. A criação da data foi uma iniciativa de organizações não-governamentais e sociedades internacionais – com apoio mundial da Bayer HealthCare Pharmaceuticals –, com o objetivo de incentivar a reflexão sobre os métodos contraceptivos e sua inclusão no dia a dia, a fim de evitar uma gravidez não planejada ou DST’s. No site desenvolvido especialmente para a campanha, o www.vivasuavida.com.br – este ano com o tema “É a sua vida, é o seu futuro – conheça suas opções, conheça seu corpo, conheça seu parceiro” –, os interessados encontrarão diversas informações sobre o assunto.

A Campanha

O Dia Mundial da Prevenção da Gravidez na Adolescência 2013 acontece pelo sétimo ano em mais de 70 países da Europa, Ásia e América Latina. Patrocinada mundialmente pela Bayer HealthCare Pharmaceuticals, a campanha é realizada pela agência global de saúde reprodutiva e sexual, Marie Stopes International (MSI), Organização Pan-Americana da Saúde e da Educação (PAHEF), Federação Internacional de Paternidade Planejada (IPPF), o Population Council, a Sociedade Europeia de Contracepção (ESC), Federação Internacional de Ginecologia Infantil e Juvenil (FIGIJ), o Conselho sobre Contracepção Ásia/Pacífico (APCOC), o Centro Latino-Americano de Saúde e Mulher (CELSAM) e a Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional (USAID). Mais informações emwww.vivasuavida.com.br

Bayer: Science For A Better Life

Em 2013, o grupo Bayer completa 150 anos no mundo. A Bayer é uma empresa global com atuação nos campos de saúde, agricultura e materiais de alta tecnologia. Como empresa inovadora, a companhia marca tendências nas áreas de Pesquisa. Os produtos e serviços da Bayer são desenvolvidos para beneficiar e melhorar a qualidade de vida. Ao mesmo tempo, o Grupo almeja criar valor por meio de inovação, crescimento e alta rentabilidade. A Bayer é comprometida com os princípios de desenvolvimento sustentável e atua de forma ética e socialmente responsável. No ano fiscal de 2012, o Grupo empregou 110.500 pessoas e atingiu um volume de negócios de cerca de €39.8 bilhões. Investiu mais de €2 billhões e gastou mais de €3 bilhões em pesquisa e desenvolvimento. Para mais informações, consulte o site da Bayer no www.bayer.com

Sobre a Bayer HealthCare Pharmaceuticals

A Bayer HealthCare Pharmaceuticals, divisão da Bayer HealthCare, reúne 38 mil funcionários, em mais de 150 países e está entre as 10 maiores corporações de especialidades farmacêuticas do mundo com faturamento anual superior a €10 bilhões. A Bayer HealthCare Pharmaceuticals é formada pela união mundial da Bayer e da Schering AG, oficializada em 2006. A unidade brasileira é a sua maior subsidiária na América Latina. A atuação no Brasil contempla diferentes áreas de negócio: Saúde Feminina, Medicina Especializada, Medicina Geral e Radiologia e Intervenção.






Evento gratuito e arrecadação de lenços em prol do câncer de mama
[20-10-2014]
Ciclo de Palestras IHOC 2014 aborda câncer de próstata
[20-10-2014]
Acupuntura e seus benefícios
[20-10-2014]
Evento online reunirá especialistas em terapias Holísticas
[17-10-2014]
Livre-se das celulites antes do verão
[17-10-2014]
Nutry participa do Circuito de Corridas Caixa de Curitiba com nova barra de cereal Nuts
[17-10-2014]
Clientes aprovam a “Vitrine Rosa”, ação que reforça a luta contra o câncer de mama
[17-10-2014]
Dia 30 de outubro é o dia nacional de combate ao reumatismo
[17-10-2014]
Hepatites
[16-10-2014]
EBOLA - Não há razões para que a população fique alarmada em função da doença, alega Sociedade Médica
[16-10-2014]

| 1 | 2 | 3 | 4 | 9 | 10 | Próxima >> Mais 5

Fale Conosco  |   Anuncie no Paranashop  |   Login  |   RSS / Newsletter