Casa e Imóveis  |  Compras  |  Divirta-se  |  Educação e Cultura  |  Gastronomia e Mercado  |  Gente e Negócios  |  
Geral  |  Mídia e Marketing  |  Moda e Beleza  |  Turismo  |  Vida e Saúde  |  

  Vida e Saúde

Nova alternativa para tratar hemorróidas
[23-04-2012]

Uma nova técnica cirúrgica para o tratamento de hemorróidas chega à Curitiba. A Desarterialização Hemorroidária Transanal guiada por Doppler (THD), oferece cura a doença, sem dor e de forma rápida. "Por ser menos invasiva, em relação as cirurgias convencionais, a cirurgica é feita sem cortes, menos agressiva e retorno precoce as atividades normais", destaca a coloproctologista do Hospital Nossa Senhora das Graças, Sonia Time.

A doença atinge milhares de pessoas e a estimativa é de que, pelo menos, metade da população possa sofrer de hemorroidas em algum momento da vida, independente de sexo e idade. "As hemorroidas são causadas devido a dilatação das veias que ficam na região do ânus, podem ser internas ou externas", explica a médica.

A doença pode apresentar sintomas, como: coceira, dor e sangramento. E suas principais causas estão relacionadas a irregularidade do hábito intestinal ,principalmente esforço evacuatório, intestino preso, gravidez e predisposição familiar. "A doença traz desconforto e só tem cura através de tratamento cirúrgico. Remédios como pomadas e supositórios são apenas para aliviar os sintomas e podem ser empregados para controle da doença", destaca a Dra. Sonia.

A THD, criada por médicos italianos, é uma cirurgia indicada para a maioria das doenças hemorroidárias. "Em casos de veias hemorroidárias externas, muito volumosas, a técnica não é recomendada. Pois, é necessário a remoção através da incisão cirurgica ", ressalta a especialista.

Cirurgia e recuperação

A cirurgia de Desarterialização Hemorroidária Transanal guiada por Doppler (THD), dura em média uma hora e é necessário que o paciente permaneça por um dia em internamento.

De acordo com a especialista ao invés de usar um bisturi para cortar e remover as veias hemorroidárias, utiliza-se um doppler acoplado a um anuscópio (equipamento de ultrassom que mede o fluxo sanguíneo). O aparelho identifica o fluxo da artéria que nutre as veias inchadas. "A artéria é "costurada" em um ponto específico, com uma agulha que passa pelo interior do equipamento, interrompendo o fluxo de sangue para a veia desta forma tratando a doença", explica a médica.

Por isso, não é necessário remover as hemorróidas, elas vão "secar" por falta de aporte sanguíneo. O período de recuperação é aproximadamante cinco dias, e o paciente já poderá voltar as suas atividades. "Nesse período o paciente pode levar uma vida normal, exceto realizar atividades físicas. Já na técnica convencional, costuma levar algo em torno de no mínimo 30 dias a 3 meses para cicatrização completa", compara a Dra. Sônia.






Os benefícios das lutas como exercícios físicos
[30-01-2015]
Uso de vinagre na dieta traz inúmeros benefícios à saúde
[30-01-2015]
Beba sem moderação
[30-01-2015]
16% das pessoas no mundo sofrem com problemas que causam a hérnia discal
[29-01-2015]
Dental Uni mantém consultório odontológico na Casa da Saúde do Grupo Positivo
[29-01-2015]
Campanha de Carnaval do Banco de Sangue do HC Incentiva a Doação nesta Época
[29-01-2015]
Final de semana na Shed Western Bar
[29-01-2015]
Crematório Vaticano traz a Curitiba projeto internacional no Dia da Saudade
[28-01-2015]
Saúde lança campanha de prevenção às DST e aids para carnaval 2015
[28-01-2015]
Diabetes - As micoses são grandes vilãs no verão
[28-01-2015]

Fale Conosco  |   Anuncie no Paranashop  |